Degodim

Originariamente, é uma brincadeira cujo foco é na discriminação cinestésica. Consta no repertório do CD Pandalelê, co-produção do Centro Pedagógico da UFMG e Palavra Cantada . “Em duplas, um dos brincantes recita o texto enquanto faz, nas costas do colega, movimentos com os dedos das mãos. No momento em que se pergunta ‘cuantos dedos há encima?’, o brincante que estava fazendo os movimentos pára, deixando uma quantidade de dedos sobre as costas do outro. Este tentará descobrir quantos dedos ‘hay en cima’. Caso erre, recita-se a segunda estrofe do texto ‘se houbiera dicho...’, dando uma nova chance de resposta. A cada vez que errar a quantidade de dedos, o texto deverá ser recitado o mais rápido possível até que o outro acerte a quantidade de dedos colocadas em suas costas. Quando acertar, os brincantes invertem de posição.” Esta descrição e das demais brincadeiras do Pandalelê você encontra no portal de educação o governo do Paraná (em html) e no site da prefeitura de Botucatu-SP (em pdf).

Esta percepção ainda é incipiente na criança pequena. Daí, adaptei a brincadeira para noções matemáticas de correspondência, usando a cantoria para disciplinar a liberação para o banheiro: passam pelo “portão” as crianças correspondentes ao número formado pelas mãos acima do ombro, relativo a cada uma das duas filas.

Quanto ao CD, é fenomenal. São, na verdade, dois. Um de áudio e outro CD Rom, que contém vídeos com adolescentes executando cada brincadeira, bastante precisos no enfoque às informações essenciais. Antes de realizar uma brincadeira, apresento o vídeo correspondente e as crianças apreendem logo a dinâmica, dispensando explicações em demasia.

Um comentário:

Luiz Carlos disse...

Olá, Cláudia...
Parabéns pelo trabalho..acredito que vc está sendo pioneira no que faz.
Agora..fiquei com algumas "pulgas" atrás da orelha se me permite.
1) Como vc consegue registrar tudo isso em vídeo/fotos e pda e ao mesmo tempo dar aulas?
2) Como as professoras de classe interagem/percebem esse "sistema"?
3)Senti falta de um esclarecimento quanto a abordagem que vc acredita ou não é essa a proposta do blog?
De qualquer forma, obrigado por ter publicado seu trabalho para apreciações.
Luiz
mestre/Unicamp