Sobre Qualidade e Educação

Fala-se em educação de qualidade como se a expressão qualidade possuísse um significado em si. Mas não é bem assim. Qualidade pode ser um atributo ou uma propriedade. Enquanto o primeiro é algo imputável por um sujeito, o segundo é inerente a um objeto.  Isso faz com que a qualidade oscile entre a subjetividade e a objetividade.  

Por exemplo, ao qualificarmos uma pimenta como sendo boa, temos que esclarecer se boa significa aparência, utilidade, validade etc. O boa também pode estar ligado a uma escala de valores - mais ou menos ardida -, um grau de excelência - melhor que -. Totalmente subjetivos. Ou pode, objetivamente, determinar uma tipificação, como o caso Malagueta, Rosa, Dedo de Moça, Biquinho entre outras.

Com educação, não é diferente. E, para que nossas discussões a respeito ultrapassem a fronteira de significado, o Escritório Regional de Educação para América Latina e o Caribe da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (OREALC/UNESCO), no documento “El derecho a una educación de calidad para todos em América Latina y el Caribe”, apresenta um conceito de qualidade da educação com cinco dimensões: equidade, relevância, pertinência, eficácia e eficiência.

Decorrência natural das políticas traçadas para se alcançar o que a Unesco denomina “Educação para a Cidadania Global”, em parceria com a Fundação Santillana e o jornal espanhol EL PAÍS, foi realizado um Seminário Internacional em São Paulo, noticiado no site Porvir: Educação para cidadania global precisa ir além do conteúdo. Abaixo, um extrato da matéria, que vale muito a pena ler.
Cecilia Barbieri, especialista da Unesco para América Latina e o Caribe, mostrou que, apesar dos progressos no acesso desde a infância até a educação primária, a qualidade da educação na América Latina ainda compromete o desempenho dos alunos e impede que os índices tenham a melhora esperada. “Educação de qualidade é muito mais que aprender e ter boas notas na escola. Não se trata apenas de dominar competências, mas também pôr em prática o respeito à vida e à dignidade humana, o que é essencial em uma sociedade preocupada em promover a diversidade, a justiça social e a inclusão”, disse.
No vídeo abaixo, uma entrevista com Maria Rebeca Otero Gomes, Coordenadora do Setor de Educação da UNESCO no Brasil, concedida durante o “Seminário Internacional Liderança e Inovação na Educação", da Fundação Santillana. Entre outros temas, Rebeca aborda o uso da tecnologia na perspectiva da “educação para a cidadania global”.



Nenhum comentário: